Já conhece o software de gestão para veterinária que está a revolucionar o mercado?

Acessível 24h por dia, 365 dias por ano, em qualquer parte do mundo

Não requer valor inicial de investimento (aquisição de software e servidor)

Acessível através de qualquer computador ou dispositivos móveis, como smartphones e tablets

As actualizações do software são gratuitas e automáticas

Vários utilizadores em simultâneo e em qualquer parte do mundo

Não necessita de realizar backups periódicos dos dados

Acessível através de qualquer computador ou dispositivos móveis, como smartphones e tablets

Segurança total e encriptação dos dados com o certificado SSL

Descubra as 7 tendências de Web Design para 2019

por Dilen Ratanji, Diretor-Geral da VetBizz Consulting, em Veterinária Atual.

Há estudos que comprovam que 75% das pessoas baseiam a credibilidade da empresa pelo website que encontram. Confesso que não deixa de ser um indicador surpreendente, considerando que hoje existem muitos outros canais digitais, com particular destaque para as redes sociais. Seja como for, o website continua a ser considerado o principal “cartão de visita” de uma empresa, em ambiente digital.

As tendências que apresentarei de seguida devem ser encaradas, primeiramente, como uma tentativa de diferenciar o seu CAMV, principalmente da concorrência. Inovar, ser criativo e distanciar-se dos padrões pré-estabelecidos pode ser a melhor forma de mostrar diferenciação em mercados idênticos. Mas é fundamental que saiba que nenhuma tendência vai substituir as leis do web design, que é oferecer aos visitantes condições claras de navegabilidade, responsividade e interatividade.

1. Mobile First

Não confunda este conceito com “mobile responsive”. Tal como o próprio nome indica, a construção do website passa a ser pensada a partir do mobile, para depois ser trabalhada em outras resoluções (TVs, tablet e desktop). Ou seja, a lógica inverteu-se. Começar o design pelo mobile representa economia de tempo e dinheiro, uma vez que diminui as hipóteses de ter de se fazer tudo de novo ou reparos de possíveis erros. O ranking no Google também favorece o mobile first, uma vez que websites responsivos garantem melhores posições nos motores de pesquisa. Assim, podemos dizer que se o pensamento mobile first é uma tendência, ter um website responsive é já uma obrigação em 2019.

2. Animação

Nas nossas sessões de consultoria nos CAMV, esta é uma das questões que mais nos colocam: se ter elementos animados (GIFs, vídeos,…) no website não afecta o seu posicionamento orgânico (via SEO – Search Engine Optimization). Conheço web designers que defendem o uso de animações e outros que abominam tal prática. Estes, justificam que elementos animados afectam o carregamento da página e, por conseguinte, prejudica o SEO do website. Na realidade, não contemplar elementos animados anula um importante elemento do web design: movimento e interação. Os websites devem ser muito mais do que imagens e textos estáticos. Elementos simples de animação podem ajudar os visitantes na compreensão e destaque de pontos importantes.

3. Uso de cores vivas e intensas

Uma vez li que “as cores são o espelho da nossa alma”, pelo que é fundamental lembrar que elas afectam directamente os sentimentos dos utilizadores, podendo ou não auxiliar na rápida captação da sua atenção. Cores vivas, vibrantes e intensas estão cada vez mais em voga e no sector veterinário não é excepção. Claro que ter um logótipo com este tipo de cores ajuda a desenvolver um web design mais arrojado, dinâmico e irreverente. O uso de amarelo, laranja e vermelho sem adição de cinza ou preto são tons promissores. Ainda que na medicina, em geral, o vermelho tem conotação negativa (ex.: perigo, sangue, urgências veterinárias,…). Mas o vermelho, como cor secundária, pode criar um contraste muito interessante. O laranja tem sido uma tónica nos websites dos CAMV nos últimos anos. Fiquei a saber que “Living Coral” foi considerada a Cor do Ano pela Pantone Color Institute. Se está a pensar em criar uma marca ou fazer um rebranding, considere esta cor. Pesquise na internet e surpreenda-se.

4. Brutalismo

Costumo apregoar que os sites desenvolvidos num modelo “KISS” (Keep It Short and Simple) são os melhores e mais intuitivos, pois as pessoas hoje em dia não têm tempo nem paciência para perder muito tempo à procura da informação que necessitam. Porém, o brutalismo é o extremo da simplicidade. A tendência do brutalismo é a simplificação ao extremo, é abrir um espaço para que os web designers desenvolvam o conteúdo da forma mais simples possível. De facto, é algo que poucos negócios estão dispostos a fazer atualmente, embora já tenha verificado um ou outro website de CAMVs a seguir esta tendência. O brutalismo é visto, aos olhos do utilizador comum, como algo amador. Mas se assim fosse, marcas como a Gucci e Balenciaga não o utilizariam certamente. A opção pelo brutalismo exige talento do web designer, pois este preocupa-se com as regras básicas de navegabilidade e responsividade, apesar de não o parecer. Visite o link http://brutalistwebsites.com e irá observar como o design de alguns website é desconcertante e desregrado. Mas são websites muito bem estruturados, onde encontra as informações que precisa são apresentadas de forma simples e intuitiva.

5. Imagens reais vs. Ilustrações

Quando apresentamos um serviço no nosso website, é comum enquadrarmos uma fotografia real. Nos CAMV é muito recorrente este método de apresentação, com o intuito de humanizar a marca e também de passar emoções ao utilizador (ex.: um momento de afecto entre o tutor e o seu animal de estimação). O facto é que nós conseguimos criar um forte impacto nalguns visitantes que, quando olham para a foto, conseguem rapidamente identificar-se nela. Esta componente emocional é fundamental, mas pode tornar-se contraproducente quando é utilizada em excesso. O aspecto funcional dos serviços também deve ser relevado e é aqui que as ilustrações desempenham um papel essencial por serem muito eficazes na mensagem que se pretende transmitir (ex.: plano de saúde do 1º ano de um cachorro, com a apresentação de todos os produtos e serviços que devem ser consumidos nesse período).

6. Transição de páginas

A transição de páginas no website é quase sempre igual. A página fica em branco por um segundo e, então, a nova página é carregada. Muitos websites já contemplam um ícone de “loading” durante o período de transição. Contudo, alguns web designers têm apostado em incluir uma dinâmica diferente na transição de página, inserindo efeitos visuais simples, tornando a experiência do visitante diferente. Seja uma mensagem relevante ou uma mera piada. Esta tendência tem relação direta com a falta de paciência dos utilizadores em aguardar o carregamento de uma página. Quando é em ambiente mobile, menos ainda.

7. Sobreposição de textos nas imagens

O contraste entre cores e texturas segue em alta em 2019. Uma das formas mais eficientes de trabalhar esse aspecto é utilizando texto sobreposto às imagens de fundo, procurando uma continuidade à composição. Quando este método é bem utilizado, garante maior tempo de navegação e uma experiência mais fluida no site. O alinhamento e a simetria estão a entrar em desuso.
Tenha em mente estas 7 tendências em web design para 2019 e lembre-se que uma boa experiência do utilizador é um excelente ponto de partida para uma conversão, ou seja, converter o potencial cliente em cliente efectivo do seu CAMV.

(O autor escreve de acordo com a antiga ortografia)