Já conhece o software de gestão para veterinária que está a revolucionar o mercado?

Acessível 24h por dia, 365 dias por ano, em qualquer parte do mundo

Não requer valor inicial de investimento (aquisição de software e servidor)

Acessível através de qualquer computador ou dispositivos móveis, como smartphones e tablets

As actualizações do software são gratuitas e automáticas

Vários utilizadores em simultâneo e em qualquer parte do mundo

Não necessita de realizar backups periódicos dos dados

Acessível através de qualquer computador ou dispositivos móveis, como smartphones e tablets

Segurança total e encriptação dos dados com o certificado SSL

A magia dos 240 milhões

Na realidade não há truques mágicos no panorama veterinário, apenas árduo trabalho de todos os seus profissionais que fazem parte de um setor que em 2020 teve a preciosa colaboração de um contexto económico-social adverso, mas auspicioso do ponto de vista económico: são 240 milhões de euros de faturação global dos CAMV em Portugal. Num ano atípico, inédito e para esquecer à escala mundial, o setor veterinário continuou a demonstrar a sua raça e os seus laivos de resiliência e vitalidade no tecido empresarial nacional, registando um aumento na ordem dos 10% na faturação global do mercado dos CAMV em relação a 2019. Não valerá a pena voltar a falar em “recorde histórico”, pois a história repete-se todos os anos e os números são claros: a faturação dos CAMV triplicou em apenas uma década.

Os meses de Março e Abril de 2020 registaram quebras significativas na faturação dos CAMV, no entanto foi uma mera camuflagem fruto do confinamento, uma vez que nos dois meses seguintes alcançaram-se cifras históricas de faturação em dezenas de CAMV espalhados pelo país. Entende-se, assim, que se observou um mero diferimento de receitas e que a crescente consciência dos tutores no que respeita à saúde e bem-estar dos seus animais de estimação, proporcionou um aumento do fluxo de visitas nos CAMV, bem como níveis de transação média por visita mais elevados. Há cada vez mais CAMV em Portugal, com particular enfoque nos serviços de medicina veterinária ao domicílio, mas também há mais animais de estimação e mais propensão no consumo de produtos e serviços veterinários.

Numa análise mais recente realizada pela VetBizz Consulting ao número de CAMV em Portugal, cruzando diferentes fontes de informação, estima-se que existam aproximadamente 1.475 CAMV no nosso país, o que significa que cada CAMV faturou, em média, cerca de 162,7 mil euros em 2020, comparando com os 153,5 mil euros de 2019.

Apresento de seguida, como habitualmente faço todos os anos, alguns indicadores económico-financeiros (médias) mais relevantes do setor veterinário, que só foram possíveis de ser calculados nesta altura, uma vez que as IES das empresas foram este ano entregues mais tarde e muitas contabilidades atrasaram o reporte de dados, estendendo até Outubro de 2021. Reportar-me-ei ao ano de 2020, pois oficialmente os dados de 2021 apenas estarão (expectavelmente) disponíveis em meados de 2021. Recordo que todos os valores em euros apresentados não incluem IVA.

  • O volume de negócios médio por empresa (e não CAMV) é de 227,8 mil euros (vs. 207,4 m€ de 2019);
  • O EBITDA[1] médio por CAMV é aproximadamente 33,2 mil euros (vs. 26,3 m€ de 2019). Este indicador representa quanto uma empresa gera de recursos através das suas atividades operacionais, sem contar com impostos e depreciações. Um indicador relevante quando se realizam avaliações económico-financeiras das empresas;
  • Em média, cada CAMV tem um prazo médio de pagamentos de 52 dias, acima dos 49 dias do ano anterior (2019);
  • O número médio de colaboradores por CAMV aumentou, pela primeira vez, para 5 (vs. 4,2 em 2019). Não se inclui neste valor os colaboradores que estejam em regime de prestação de serviços. Os gastos com pessoal aumentaram, em média, 8,1% nos CAMV;
  • A média dos custos com pessoal sobre o total da faturação é de aproximadamente 34,9% (vs. 35,4% em 2019), estando dentro do intervalo de referência segundo as boas práticas de gestão veterinária. Um rácio acima dos 40% poderá ser sinónimo de improdutividade da equipa ou má gestão de outros recursos internos. Não obstante, e face às eficiências fiscais que são adotadas nas rubricas dos gastos com pessoal, a análise a este rácio deverá ser realizada com a devida reserva. Pela experiência da VetBizz Consulting, o rácio real (médio) intervala entre os 35% e 45%, sendo que os valores mais elevados são mais característicos de estruturas de maior dimensão;
  • O ativo total é de aproximadamente 210,3 m€, o que representa um crescimento de 10,4% face ao ano anterior;
  • Por força dos melhores resultados operacionais nos CAMV, o capital próprio apresentou novamente em 2020 uma variação positiva face a 2019: 94,8 m€ vs. 81,4 m€, o que representa um crescimento substancial de 16,5%;
  • O passivo (os valores que a empresa deve a terceiros, como por exemplo os financiamentos bancários, Estado ou fornecedores) ronda os 115,5 m€, uma variação de 5,8% face ao ano anterior;
  • O resultado líquido (lucro) médio num CAMV é de 16,8 m€, representando um crescimento assinalável de 51,1% face a 2019 (11,1 m€);
  • Os fornecimentos e serviços externos (FSE), que incluem as rendas, telecomunicações, energia, deslocações, estadas, entre outras rubricas, têm um peso de 21,3% em relação à faturação, face aos 22,0% do ano anterior, posicionando-se no intervalo de referência considerado aceitável (entre 20% e 25%);
  • O saldo médio dos depósitos bancários é de 47,8 m€ (aumento substancial de 37,1% face a 2019, que recordo que já tinha registado um crescimento interessante de 23,8% em relação a 2018);
  • A dívida corrente média dos clientes é de 13,0 m€ (vs. 11,9 m€ de 2019);
  • A rentabilidade dos capitais próprios inverteu a tendência e aumentou para os 17,7% (vs. 13,6% em 2019), enquanto que a solvabilidade (quociente entre o capital próprio e o passivo) melhorou novamente o desempenho com 82,1% (acima dos 74,6% registados em 2019), ou seja, se uma empresa tiver que solver as suas obrigações, consegue-o fazer em quase 82% com os seus próprios capitais;
  • O rácio de autonomia financeira (quociente entre os capitais próprios e o ativo) aumentou para 45,1% (vs. 42,7% de 2019), reforçando a sua posição acima dos 30% recomendados;
  • A produtividade das pessoas empregadas aumentou de 1,33 €[2] para 1,39 € de 2019 para 2020, traduzindo um aumento de 4,4%;
  • A rentabilidade das vendas e serviços prestados (que comummente as empresas designam de “rentabilidade do negócio”) é de apenas 7,3%, ou seja, por cada 1.000 euros faturados, o lucro líquido do CAMV é de 73 euros. Apesar da modéstia deste resultado, de realçar que em 2019 esta rácio era de apenas 5,3%, o que significa que estamos no bom caminho para melhorarmos os níveis de rentabilidade do negócio veterinário, que sabemos ser peculiar em diversos domínios.

Mesmo com uma rentabilidade económica modesta, reitero o que referi no artigo da Veterinária Atual no ano passado: a missão veterinária é muito mais forte que os números, é sobre paixão, amor e dedicação pela causa. Mas como os números continuam a ser muito importantes, cá vai a boa notícia de final de ano: em 2021 o setor voltará a crescer na ordem dos dois dígitos!

[1]Earnings Before Interests, Taxes, Depreciations and Amortizations = Resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações.

[2] Por cada euro gasto na empresa.



Ao navegar no nosso site estará a consentir a utilização de cookies para obter uma melhor experiência de utilização. + info

Para saber mais informações sobre a política de cookies deste website clique no seguinte link. https://vetbizz.pt/politica-de-privacidade/

Para aceitar, basta clicar no botão no canto inferior direito do seu ecrã.

Obrigado!

Fechar